MTV Brasil: a MTV menos MTV do mundo

 

já fui um telespectador fiel da MTV. muitos de vocês também, e alguns talvez ainda sejam. mas a história é que muita gente reclama que a MTV tá dando muito pouco espaço pros clipes. enquanto que eu acredito que a MTV Brasil (logotipo à direita) tá passando clipes demais. isso mesmo que você leu: clipes demais.
a verdade é que a MTV de hoje não é igual à de 1990 (ano de estreia da MTV Brasil) ou mesmo à de 1981 (quando a MTV – a matriz americana, versão mais comum atualmente do logotipo à esquerda – estreou). qualquer canal cuja programação seja basicamente de videoclipes vai ter uma audiência mínima hoje em dia. sim, estou falando com vocês, MixTV e PlayTV. e a MTV Brasil sempre tem sido mais alternativa (do tipo: coisas que você não ouviria na Mix, mas na Oi FM), e agora que a Abril comprou os 30% da MTV Brasil que eram da Viacom (a dona da MTV), e passou a ter os direitos exclusivos sobre a marca MTV no Brasil, a MTV Brasil pode ficar ainda menos “MTV”. “como assim?”, você me pergunta, e eu respondo.

a MTV Brasil já fugiu do “jeito ‘MTV de hoje’ de ser” quando parou de passar Na Real (o reality show que deu origem a todos os outros – quando estreou, o termo “reality show” nem existia, e a MTV definiu o programa como “a novela onde tudo é verdade”) e depois deixou o Multishow comprar Laguna Beach e suas spin-offs (The Hills e sua própria spin-off, The City) – o Multishow também produz Nós 3, seu próprio “The Hills”. é verdade: os principais programas da MTV hoje são os reality shows. claro, a MTV Brasil passou alguns deles, como toda a série A Shot at Love e Paris Hilton’s My New BFF, além de passar agora Grávida aos 16, mas a maior parte da programação da MTV Brasil ainda é musical (mais da metade do dia é MTV Lab, e ainda tem o Lab Toca Aí no horário nobre), enquanto que na matriz (tanto na MTV, quanto na MTV2), os clipes passam de manhã, em um bloco chamado AMTV/AMTV2 (e você pensava que a MTV2 era só de clipes, tá na hora de pensar de novo).

com a Abril assumindo a MTV Brasil, ela pode lançar mais canais (principalmente a cabo, como todas as MTVs, menos no Brasil e na Itália, onde são redes abertas), que acabariam seguindo não a “escola MTV”, mas a “escola MTV Brasil”: extremamente alternativa, um pouco “cabeça” (se comparado com a MTV EUA) e sem os carros-chefe da matriz, como se a MTV sempre tivesse que passar basicamente clipes, independente do que o público vê agora.

você até diz “a MTV tem que passar clipes e ter programação basicamente musical, tá até no nome: ‘MTV: Music Television’”, mas por mais que o logotipo da MTV Internacional (MTV fora dos EUA, Canadá e Brasil, ao centro) ainda tenha “Music Television”, isso já não reflete mais o canal. a MTV Brasil já deixou de ter “Music Television” no logotipo já faz alguns anos, a MTV Canadá, na sua atual encarnação, nunca foi “Music Television” (e nem pode ser, pela sua licença na CRTC – a Anatel canadense – e, sim, canais a cabo também precisam de licença no Canadá) e a MTV EUA tem usado o logo recortado, sem nenhum “Music Television”. vários nomes de canais que são siglas já tiveram significado, hoje não têm mais. VH1 (da MTV Networks), por exemplo, já significou “Video Hits One”, quando ela foi lançada, como a “MTV de tiozão” (minhas palavras), hoje não significa nada (e seus principais programas também são reality shows, apesar do canal BR ainda passar uma quantidade considerável de clipes). GNT já significou “Globosat News Television”, quando era o canal de notícias e documentários da Globosat, hoje também não significa nada (já não significava nada desde a estreia da GloboNews) e também é um canal bem diferente do que era quando começou.

qualquer canal de TV precisa se reinventar de tempos em tempos. não é diferente com a MTV. o difícil é dizer para boa parte do público (e pra Abril): “encare os fatos, a MTV de hoje não é que nem a de 1981/1990 e não precisa ser pra sempre. se você gosta da MTV, encare que ela tem que se reinventar pra continuar falando com o público de hoje. ou você ainda tá parado ou é saudosista mesmo.” pronto, falei.

UPDATE (20.3.2010): agora é oficial: a MTV EUA não é mais “Music Television”.

3 Response to "MTV Brasil: a MTV menos MTV do mundo"

  1. Cara, quando a MTV parou de exibir clipes em 2006 a galera reclamou e agora que ela passa 12h por dia reclamam também! Poxa, são os típicos brasileiros não conformados com nada! Ah! A MTV Brasil agora exibe apenas 9 horas e meia de clipes, das 2h e 30min as 11h, ou seja no horário menos destacado

    Arthur says:

    não esquece do MTV Lab SAP no horário nobre.
    e o negócio não é passar clipes ou não, e sim seguir o espírito MTV, mas o espírito MTV de hoje, que não inclui "ter quase metade da grade ocupada por videoclipes".
    o canal tem que mudar pra continuar vivo.

    esse povo reclama que gostava da mtv antigamente e que agora é uma merda. mas o problemas é que vcs estão ficando velhos!
    a mtv é uma emissoras para jovens!! e a juventude vai mudando de tempos em tempos!
    tem gente reclamando que antes passava legião e nirvana e hoje passa riahnna!
    se toquem isso não é o que a juventude atual consome!
    a mtv não cresce com os telespectadores!ela quer é o publico jovem que se renova a cada dia e que ela te que agradar mesmo! ela não pode parar no tempo!

powered by Blogger | WordPress by Newwpthemes | Converted by BloggerTheme